Minilogo viLLopim Classificados
Hoje: Domingo, 16 de dezembro de 2018
Código anúncio: 7286ec454d01df4b03f65a5139b23d03
Anúnciante: nx3designer | Publicado em: 18/05/2012 - 11:26:29 | Última modificação: | Visitas: 303
Preço: R$ 1000,00
Condição: Procuro
Quantidade disponível: Não informado
Icone de favoritos - viLLopim Classificados (1)

Categoria:    |   Subcategoria:

País: Brasil   |   Estado: Rio Grande do Sul (RS)   |   Cidade: Tapejara
Endereço: Tapejara RS
URL do anúncio:
Anúnciante: nx3designer
Este anúnciante não tem imagem
Para contactar o anúnciante:
Telefone (1): 5433440135
E-mail (1): contato@nx3.com.br
Descrição Anúncio:

Preço versão normal 1.500, 00


Versão profissional 3.900, 00


Versão especial 20, 400, 00


 


Uma prática mundial há mais de 20 anos, o “outsourcing” é caracterizado quando uma companhia busca mão-de-obra para uma ação pontual fora da empresa. O termo não é novidade e até pode ser usado como sinônimo de terceirização. Mas o assunto agora é o “crowdsourcing”; do inglês, “fontes na multidão”. Ou seja, a busca de alguém para efetuar determinada tarefa é feita entre uma infinidade de pessoas.   O crowdsourcing é um modelo que utiliza os conhecimentos espalhados pela internet para resolver problemas, criar conteúdo e desenvolver novas tecnologias.   "Agora as empresas pensam: na verdade não importa quem sejam essas pessoas, talvez elas estejam nos Estados Unidos, na Índia ou no Brasil. Se elas puderem fazer o trabalho, a gente paga", explica Shaun Abrahamson, fundador da consultoria Mutopo.     Funciona basicamente assim: em sites bastante parecidos com aqueles de leilões online que já conhecemos, empresas oferecem oportunidades de trabalhos esporádicos e pontuais. Os internautas que tiverem o perfil da atividade enviam uma proposta e o cliente define quem fica com o serviço. Lógico, vence a proposta com melhor custo-benefício. Tem de tudo e propostas vindas de todos os cantos do planeta.  "Principalmente trabalhos que possam ser feitos online e que possam ser aprovados online. Então, normalmente, é programação, ilustração, tradução, consultoria... são esses os principais trabalhos encontrados", conta Alex Valdarnini, webdesigner e ilustrador.     Há quase quatro anos, Alex descobriu os sites de crowdsourcing. Hoje, essa renda extra já representa 50% do seus ganhos mensais. "Inicialmente eu pegava qualquer coisa: barata e fácil de fazer, mas hoje eu sou um pouco mais seletivo e pego alguns trabalhos um pouco mais caros e que tenham meu perfil. Assim eu sei que eu posso ganhar o trabalho, já que é em forma de leilão que funciona. Tem gente que realmente vive disso e consegue ganhar bem. E tem pessoas que conseguem tirar de 1 mil até 3 mil por mês, já que a remuneração lá fora é feita em dólares", conta o ilustrador.


 


http://www.empreanjo.com/index.php


 

Pergunta ao anúnciante (Este anúnciante também receberá esta mensagem em seu email)
*

Imagem alerta de erro.
*

você ainda tem: 300 caractere(s).
Imagem alerta de erro.
 


Brasil